Como Hackers tiveram acessado ao Telegram de Sergio Moro

Como Hackers tiveram acessado ao Telegram de Sergio Moro

julho 26, 2019 0 Por Gabriel

5 de junho de 2019. “Um hacker invadiu o celular do ministro Sergio Moro (Justiça) nesta terça-feira (4)”, publica a Folha de S. Paulo“O celular teria sido hackeado por volta das 18h, segundo o Ministério da Justiça, quando Moro atendeu uma ligação feita pelo próprio número dele”, divulga o G1.

Imediatamente após o ocorrido, profissionais e entusiastas de tecnologia da informação, incluindo desenvolvedores e pesquisadores de segurança, tentam interpretar as informações, muitas vezes distorcidas, que vêm a público. Um deles, Fabio Assolini, da Kaspersky, escreve uma thread no Twitter sobre os possíveis métodos usados para o ataque.

Dentre as possibilidades, Assolini cita SIM swap, fraude que consiste em habilitar a linha do alvo em um cartão SIM do atacante por meio de engenharia social ou acesso privilegiado na operadora de telefonia. A mesma teoria foi levantada e defendida por inúmeros outros — e dentre eles, me incluo. Em 6 de junho, escrevi: “pelo que se sabe atualmente, não teve ‘celular hackeado’, e sim sequestro do número com participação de alguém da operadora”.

23 de julho de 2019. A Polícia Federal deflagra a operação Spoofing, cumprindo sete mandados de busca e apreensão e quatro de prisão temporária contra suspeitos de envolvimento na “invasão do celular de Moro”. Já no dia 24, a íntegra da decisão para prisão dos “supostos hackers” divulgada pelo O Antagonista nos fornece acesso às conclusões da investigação da PF.

O Telegram permite que o usuário solicite o código de acesso via ligação telefônica com posterior envio de chamada de voz contendo o código para ativação do serviço Web, cuja mensagem fica gravada na caixa postal das vítimas. O invasor então realiza diversas ligações para o número alvo, a fim de que a linha fique ocupada, e a ligação contendo o código de ativação do serviço Telegram Web é direcionada para a caixa postal da vítima.

Embora o documento não esclareça alguns pontos, as informações disponíveis nos permitem remontar com bom nível de confiança o ocorrido.

A esta altura, parece inquestionável que não houve invasão ao celular de Moro. Nenhum acesso indevido ao dispositivo utilizado pelo ex-magistrado, mas sim a utilização do número de sua linha telefônica para criação de uma conta no Telegram.

E é fato que o Telegram permite o envio do código de verificação para criação de uma nova conta ou login em uma conta já existente através de uma chamada de voz, e que esta pode ser encaminhada para a caixa postal do receptor se a linha encontrar-se ocupada ou se a ligação for manualmente rejeitada.

A peça perdida do quebra-cabeças é o que ocorre em seguida: o meio utilizado pelo atacante para acessar a caixa postal do alvo. Podemos deduzí-lo através da decisão judicial e do nome da operação Spoofing.

Para isso, deve-se saber que é possível efetuar ligações telefônicas falsificando a informação de origem, identificando a chamada como se houvesse partido de um número telefônico arbitrário. Esta técnica é conhecida como caller ID spoofing e tem aplicações legítimas, mas obviamente também pode ser explorada para fins maliciosos.

De volta à decisão:

A edição de números telefônicos pode ser realizada através de serviços de voz sobre IP (VOIP) ou por aplicativos que permitem a modificação do número chamador. (…) O cliente/usuário da BRVOZ utilizando a função ‘identificador de chamadas’ pode realizar ligações telefônicas simulando o número de qualquer terminal telefônico como origem das chamadas.

Segundo o texto, o atacante utilizou o serviço de telefonia VoIP da BRVOZ. Após a divulgação das notícias, tentei contratar o serviço, mas tive o pagamento estornado e não consegui contato com os canais de atendimento. Presumidamente, a empresa encontra-se sobrecarregada devido à repentina atenção midiática.

No entanto, com uma breve pesquisa no Google, encontrei outra fornecedora que também possibilita o caller ID spoofing, a Nvoip. Desta vez, consegui criar uma conta.

Utilizei um número da operadora TIM para testes. Constatei que, ao efetuar uma chamada para ele com o “identificador de chamadas” da Nvoip configurado para o mesmo número, quando o celular encontra-se indisponível — seja por estar ocupado com outra ligação, fora de área ou por rejeição manual da chamada recebida — , o acesso à caixa postal torna-se possível.

Tal cenário encaixa-se perfeitamente com o que vem sendo divulgado desde junho, incluindo as ligações que Sérgio Moro relatou haver recebido do próprio número. Com a confiança de que esta é de fato a solução do mistério, reproduzi o ataque para gravar o vídeo de demonstração a seguir.

Como se proteger

A utilização da autenticação de dois fatores (2FA) é sempre recomendada: embora ela não possa impedir a criação de uma nova conta no Telegram, como ocorreu no caso de Moro, ela evitaria o acesso a uma conta já existente.

Fora do Telegram, é importante configurar suas contas para utilizar formas mais robustas de 2FA do que o recebimento de código por ligação, uma vez que estes estariam vulneráveis ao mesmo método. E, devido a outras possibilidades de ataque, o uso de SMS também não é recomendado. As alternativas incluem o uso de um aplicativo como o Google Authenticatorou de um dispositivo de autenticação por hardware como o YubiKey.

No mais, deve-se desativar o serviço de caixa postal caso ele não seja utilizado. Consulte sua operadora em relação aos procedimentos para desativação.

Se curtiu o conteúdo, não esqueça de compartilha-lo. E por fim, não deixe de nos acompanhar nas redes sociais

Instagram: @DevLemos

Grupo no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/KpgX68HShoc9PSuB2OyY0u

Grupo no Telegram:  
https://t.me/joinchat/NRCHWxRuuV03m68qBhvTeA

Abraços!